PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Agressores de animais podem arcar com despesas veterinárias

Cotidiano

04 de agosto de 2021 16:59

Rodolpho Bowens


Relacionadas

Paraná recebe 55,2 mil vacinas contra a Covid-19

Alep disponibiliza à população espaço para apoio jurídico

Paraná inaugura primeira Usina térmica do Brasil

Empresário tem pena acrescida por infectar mulheres com HIV
Campanha promove lazer para arrecadação de brinquedos
Confronto deixa três suspeitos de roubo mortos em Curitiba
Covid apenas encurtou vida de vítimas, diz Bolsonaro
Deputado estadual Paulo Litro (PSDB). Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Projeto de lei foi apresentado na Assembleia Legislativa pelo deputado estadual Paulo Litro (PSDB)

O deputado estadual Paulo Litro (PSDB) protocolou, na última terça-feira (3), na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), Projeto de Lei que determina que os agressores que cometerem crimes de maus tratos com animais arquem com as despesas de assistência e demais gastos veterinários.

“Temos verificado em todo país um aumento significativo de abandono e agressões aos animais, especialmente durante o período de pandemia. Buscamos com esse projeto contribuir para o fortalecimento dos trabalhos promovidos pelas entidades protetoras dos animais no Estado, bem como ampliar as ações de conscientização e mudança de comportamento dos agressores”, disse Paulo Litro.

O texto do projeto prevê ao agressor a obrigação de ressarcir a Administração Pública Estadual de todos os custos relativos aos serviços públicos de saúde veterinária prestados durante o tratamento dos animais. A proposta também estabelece que, em caso de sentença transitada em julgado reconhecendo a existência de agressão contra animal, será ofertado ao agressor palestras de conscientização sobre o tema a serem ministrados por Organizações e Associações que tratam da temática.

O Projeto de Lei seguirá para análise da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Alep e, caso seja aprovada, passará pelas comissões temáticas antes de ir para votação em Plenário.

Informações: Assessoria de Imprensa.

PUBLICIDADE

Recomendados