PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Paraná inaugura primeira Usina térmica do Brasil

Cotidiano

24 de setembro de 2021 14:55

Da Redação


Relacionadas

Bolsonaro diz que não vai interferir em preços no país

Vendaval provoca estragos em 16 cidades do Paraná

Heineken Brasil oferta mais de 140 vagas de emprego

Temporal volta a causar estragos na rede elétrica no PR
Número de empresas no Brasil cresceu 6,6% em um ano
Empresas devem R$ 896,2 bilhões aos cofres públicos
Paraná tem mais 1.550 casos e 59 óbitos de covid
O Centro Oeste do Paraná ganhou a 1ª planta térmica no Brasil para tratar resíduos sólidos urbanos em pequena escala e com uma tecnologia inovadora. A Usina de Termomagnetização utiliza a tecnologia para o tratamento de resíduos sólidos urbanos com sustentabilidade. Foto: Alessandro Vieira/AEN
PUBLICIDADE

Trata-se da primeira usina térmica no Brasil para tratar resíduos sólidos urbanos em pequena escala, com uma tecnologia inovadora que os transforma em cinzas. O equipamento foi inaugurado nesta quinta-feira (23) e vai atender os municípios de Roncador, Iretama, Mato Rico e Nova Cantu

O Centro-Oeste do Paraná ganhou a primeira usina térmica do Brasil para tratar resíduos sólidos urbanos em pequena escala, sem poluir o meio ambiente, com uma tecnologia inovadora que os transforma em cinzas. O equipamento foi inaugurado nesta quinta-feira (23) e vai atender os municípios de Roncador, Iretama, Mato Rico e Nova Cantu. A inicativa foi viabilizada pela Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, com outros parceiros, e teve licenciamento do Instituto Água e Terra (IAT).

Trata-se de um piloto que integra o Projeto Lixo 5.0, desenvolvido pela Sedest, que forneceu todo o suporte para instalação do equipamento pela empresa Ecodust (detentora da tecnologia). O investimento total para instalação da usina foi de quase R$ 4 milhões por parte de todos os envolvidos.

Com capacidade para processar até 20 toneladas por dia de resíduos, a estrutura vai atender um problema antigo de pequenos muncípios. "Com esse espaço, esses quatro municípios passam a ser o centro da tecnologia para destinação de resíduos sólidos urbanos de maneira mais eficiente, barata e sustentável do Brasil", afirmou o secretário do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Márcio Nunes.

De acordo com ele, a incineração por termomagnetização também contempla os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS). "O Paraná sai na frente licenciando a primeira tecnologia de termomagnéticas do Brasil. É um empreendimento pensado para os pequenos municípios, com uma máquina que funciona sem barulho, fumaça ou mau cheiro", disse.

O projeto conta também com a participação da Universidade Estadual de Maringá (UEM), Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) e IAT, na pesquisa e análise de emissão atmosférica, de chorume e qualidade das cinzas, para que não prejudique o meio ambiente. O barracão que abriga o equipamento foi construído pela prefeitura de Roncador. 

LIXO 5.0 – O Projeto Lixo 5.0 foi criado para acompanhar estudos e reconhecer novas tecnologias/processos de tratamento de resíduos sólidos em municípios paranaenses.

O diretor de Políticas Ambientais da Sedest, Rafael Andreguetto, afirma que este é um passo importante para a solução de um problema comum. "O projeto-piloto será a base para a criação de uma resolução que permita o licenciamento desses equipamentos em todo o Estado. Estamos falando de uma inovação", disse.

O projeto deve ser aplicável e atender às necessidades dos municípios paranaenses no tratamento dos resíduos sólidos. Para isso, as soluções devem seguir premissas como pesquisa, desenvolvimento e inovação, e novas tecnologias/processos de tratamento de resíduos. Além disso, é preciso oferecer economia circular/sustentabilidade; quebra de paradigmas, trazendo o órgão ambiental para dentro do processo; e firmar parceria com municípios, empresas e instituições de pesquisa.

"É um sonho que começa a se tornar realidade”, disse o prefeito de Roncador, Vivaldo Lessa. “Esse projeto vem trazer soluções num tripé de desenvolvimento socioeconômico, social e ao meio ambiente. Estamos unidos nessa caminhada".

O prefeito de Iretama, Same Saab, destacou a parceria entre municípios, empresários e Governo do Estado para a solução dos problemas nas cidades. "Exemplos como esse têm que ser seguidos", disse. Segundo o prefeito de Nova Cantu, Airton Agnolin, haverá uma grande evolução na questão do meio ambiente.

TERMOMAGNETIZAÇÃO – A tecnologia consiste na transformação do resíduo em cinza, podendo diminuir em até 97% a massa do material introduzido no sistema. As cinzas podem ser aproveitadas para fabricação de asfalto, blocos cerâmicos e insumo agrícola.

O coordenador de Gestão Ambiental da Sedest, Júlio Rietow, ressalta que o processamento de resíduos da região precisa do envolvimento da comunidade. "Não é apenas a transformação dos resíduos em cinzas por uma máquina sustentável. É o envolvimento da comunidade através da educação ambiental, para que os resíduos sejam separados e destinados corretamente", afirmou. 

A Sedest foi responsável por toda a articulação entre as instituições parceiras, dando suporte técnico para os profissionais do município. A Decretaria também vai lançar uma cartilha educativa e promover encontros com os moradores da região. 

Com capacidade para processar até 20 toneladas por dia de resíduos, a estrutura vai atender um problema antigo de pequenos muncípios. Foto: Alessandro Vieira/SEDEST

Governo lança ferramenta online para obter informações sobre resíduos

Durante a solenidade de inauguração da Usinade Termomagnetização, o secretário Márcio Nunes lançou a plataforma "Contabilizando Resíduos", sistema estadual de informações sobre resíduos sólidos desenvolvido pela Celepar (Companhia de Tecnologia da Informação e Comunicação do Paraná).

A criação da plataforma digital também contou com apoio do Instituto Água e Terra (IAT). Ela foi legalmente instituída pela Lei Estadual 20.607 de 10 de junho de 2021 e teve seus critérios e procedimentos formalizados pelas Resoluções Conjuntas Sedest/IAT n° 20/2021 e n° 21/2021. 

Os envolvidos diretamente na destinação final de resíduos sólidos devem preencher as informações para que o Estado possa fazer um acompanhamento. Os dados ajudarão na elaboração de políticas públicas para o setor.

A ferramenta conta com dois módulos: um referente aos resíduos sólidos urbanos, destinados às administrações municipais, e outro ligado à logística reversa, direcionado a fabricantes, importadores, distribuidores, comerciantes ou seus representantes, de produtos e embalagens pós-consumo sujeitos à logística reversa.

Este módulo possibilitará o registro de Planos de Logística Reversa (PLR) e de Relatórios Comprobatórios do Plano de Logística Reversa (RCPLR), ambos analisados por uma equipe técnica responsável. 

Os PLR e o RCPLR serão condicionantes para a obtenção e/ou renovação da Licença de Operação (LO), Licença Ambiental Simplificada (LAS) e Licença Ambiental de Conformidade (LAC).

PUBLICIDADE

Recomendados