PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

OAB denuncia prática da eutanásia em cães de PG

Ponta Grossa

29 de julho de 2021 09:37

Rodolpho Bowens


Relacionadas

Inscrições do PSS para professores são prorrogadas

Instituto dos Óculos realiza promoções no mês do cliente

Após dois anos, PG retoma agenda de shows nacionais

Mulher cai de cara ao descer de maca de socorristas em PG
Mãe e filho são detidos por tráfico de drogas em Uvaranas
Idosa esfaqueia neto de 14 anos em Castro
PR libera aulas 100% presenciais em todas as escolas
OAB de Ponta Grossa apresentou a denúncia sobre eutanásia. Foto: Arquivo/aRede
PUBLICIDADE

Documento pede que a Prefeitura de Ponta Grossa se manifeste sobre os possíveis casos contra os animais

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de Ponta Grossa, por meio de sua presidente Rubia Carla Goedert, apresentou uma denúncia à Prefeitura Municipal de Ponta Grossa (PMPG) sobre a morte prematura (eutanásia) de cães saudáveis, resgatados das ruas do Município, na cidade ponta-grossense. A OAB/PG cobra que o Poder Executivo apure os fatos e que “medidas necessárias sejam imediatamente tomadas, ante à gravidade” da situação. O Ofício nº 37/2021 foi apresentado em 23 de julho, na última sexta-feira.

Segundo o documento encaminhado ao Portal aRede, “a instituição, por intermédio de sua Comissão, recebeu denúncias (cópias de declarações, prints e fotos anexas) que podem redundar em criminalização dos envolvidos”, relata trecho do ofício. Na sequência, é ressaltada “há evidente afronta” à Constituição Federal, ao Código Penal, à Lei Estadual do Cão Comunitário e à Lei Municipal 9.019/2007.

O Ofício nº 37/2021 explica que “ao Poder Público incumbe a proteção aos animais e as denúncias recebidas apontam que o próprio Poder Público os está mal tratando”. Além disso, o documento traz que as despesas com animais de rua estariam, “quase que integralmente”, recaindo para as Organizações Não Governamentais (ONG’s), pois o Centro de Referência para Animais em Risco (CRAR) estaria negando os atendimentos.

A OAB/PG também relata que “existem diversos indícios do cometimento pelos servidores lotados no CRAR de improbidade administrativa, negligência, abuso de poder, imperícia, omissão de socorro”. Ainda, a Ordem dos Advogados de Ponta Grossa informa que os plantões não estariam funcionando, os cavalos não seriam resgatados das ruas e que a Guarda Municipal (GM) se negaria a atender pedidos de acompanhamento de denúncias de maus tratos. “Se vai a zoonoses se nega a comparecer no local para a averiguação técnica e recolhimento do animal, dentre outras gravidades”.

Afastamento de cargos

Por fim, a OAB/PG “sugere que os envolvidos nas denúncias sejam, até o final das investigações, afastados dos respectivos cargos de chefia e/ou direção do CRAR, local onde supostamente tenham ocorridos tais crimes, a fim de evitar a frustração na colheita de provas”. O texto finaliza crendo que a Prefeitura Municipal de Ponta Grossa (PMPG) “também preza pela integridade e cuidados dos animais”.

PUBLICIDADE

Recomendados